Marinha realiza cerimônia em homenagem ao Dois de Julho

7

O Forte São Marcelo receberá na próxima segunda-feira (2) às 15h30 a cerimônia de hasteamento das bandeiras do Brasil, da Bahia e da cidade de Salvador em homenagem ao Dia Dois de Julho pela Marinha do Brasil. 

O evento, restrito para convidados, celebra a vitória dos brasileiros sobre as tropas de Portugal nos combates pela independência na Bahia, ao repetir o gesto do Segundo-Tenente João das Botas, o “Marinheiro da Independência”, que comemorou o feito hasteando uma bandeira verde e amarela no então Forte do Mar, em 2 de julho de 1823. 

Presidida pelo Governador do Estado da Bahia, Rui Costa dos Santos, a cerimônia contará com a presença do Comandante do 2º Distrito Naval, Vice-Almirante Almir Garnier Santos, além de outras autoridades civis e militares, e incluirá a leitura do texto “João das Botas e a Independência da Bahia” e a execução do Toque de Silêncio em memória de todos os combatentes que tombaram nas batalhas no mar por uma Bahia livre e um Brasil soberano.

A Marinha do Brasil teve seu batismo de fogo durante as lutas pela independência. Na Bahia, os navios portugueses eram hostilizados pela flotilha de canhoneiras organizada e comandada pelo Patrão-Mor da Capitania dos Portos, João Francisco de Oliveira Bottas, conhecido como João das Botas, que usava como base a Ilha de Itaparica.

O esforço da “Flotilha Itaparicana” foi completado pela chegada à Bahia, em 4 de maio de 1823, da nova esquadra brasileira, comandada pelo Lord Thomas Cochrane, almirante inglês, contratado juntamente com outros oficiais e 500 marinheiros, para guarnecer os navios de nossa recém-criada Marinha.

Após um primeiro combate com os portugueses, a Força Naval brasileira impôs um bolqueio da entrada da Baía de Todos os Santos, além de frequentes ataques às belonaves lusas fundeadas, enfraquecendo o abastecimento e o poder das tropas inimigas, que finalmente abandonaram a Bahia em 2 de julho de 1823, a bordo de setenta e oito navios carregados com tudo que encontraram de valor, escoltados por treze navios de guerra, em direção à Europa.

A perseguição que se seguiu, inicialmente pela esquadra brasileira e, depois, somente pela Fragata “Nichteroy”, que tinha como um dos seus tripulantes o jovem voluntário Joaquim Marques Lisboa, futuro Marquês de Tamandaré e Patrono na Marinha do Brasil, levou a bandeira verde e amarela às margens do rio Tejo em Portugal e resultou no apresamento, pelo Brasil, de mais de dois terços dos navios portugueses em fuga.

Facebook Comentarios